Pages

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Uma carta urgente para mim mesma

Cara Querida Aline Naomi do passado, olá.

Escrevo de um futuro não muito distante para dar uns conselhos de que você precisa hoje, agora.

Às vezes as pessoas são decepcionantes. Sim, às vezes as pessoas são muito decepcionantes. Mas você também não é perfeita. 

[Imagino que neste exato momento você deve estar pensando algo do tipo: "Mas pelo menos eu não sou falsa, manipuladora, mentirosa, traíra, superficial e não machuco as pessoas de propósito". Calma.]

Com o passar do tempo você perceberá que as pessoas talvez sejam tão decepcionantes porque você espera muito delas. Você espera demais das pessoas. Que elas sejam leais e verdadeiras. Como você tenta ser com todo mundo que você ama e quer bem. Bobagem. Não se pode esperar nada das pessoas. Afinal de contas, são só pessoas, com qualidades e defeitos, fragilidades e autodefesas conscientes ou inconscientes. Todos estamos em escalas diferentes de aprendizado, incluindo você.

E veja que você tem sorte. Qual foi a última pessoa que te decepcionou? Nem se lembra, né? Pois é. Você tem sorte, ou talvez atraia essa sorte para si sempre que se esforça para vibrar coisas boas. Em geral, sempre conhece pessoas muito generosas, leais e verdadeiras. Conhecer uma pessoa decepcionante aqui, outra ali, é inevitável. O problema é levar tudo isso a sério demais. Acredite, não vale a pena. Certas pessoas não valem a pena e é preciso deixá-las ir, de verdade, sem ressentimentos, mágoas ou raiva de suas mesquinharias momentâneas - um dia elas vão aprender a ser mais humanas, e mesmo que não aprendam nunca, isso já é problema delas. É preciso ter equilíbrio para não entrar na mesma vibração dessas pessoas: as loucas, as neuróticas, as que emitem palavras rudes ou grosseiras "sem pensar" e depois nem pedem desculpas. Pense em você e na sua essência. Se você não é assim, não tem por que reagir dessa forma.

Afaste-se de quem não te faz bem e pronto. Prático e racional, como você gosta.

Seja grande, seja nobre. Seja sempre você mesma.

Assinado Aline Naomi do futuro


quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Um girassol para a lua


Para Y.

Ela é a lua. Eu sou o sol. Quando me levanto, ela se recolhe. E fica desperta a noite inteira. Nem sempre iluminada, nem sempre melancólica. Desperta depois do meio-dia e, quando sabe que estou em casa, me chama para a cama. Sigo sua voz de hipnotizador de serpentes e me deito, meio enfeitiçada.

Não sei precisar o quanto devo a ela. Talvez um rim. Ou alegrias de uma vida inteira. 

Quando a conheci, não sabia o que ela tinha para mim. Quais presentes, quais mistérios, quais ensinamentos. Ainda hoje não sei.

Só sei que sou feliz. Como um girassol.